postos de saúde, são usados nas escolas por: "Projeto pioneiro de médico" - webmasters-webmestres

Arquivo

postos de saúde, são usados nas escolas por: "Projeto pioneiro de médico"

. .

"Projeto pioneiro de médico usa escolas como postos de saúde"

  • 25 setembro 2014
    . .


Manoel Francisco de Paiva (centro) com alunos do Projeto Saúde, em 2012 | Foto: Divulgação / Escola Luiz Pinto
Em projeto de 30 anos, Manoel Paiva (no centro) quer aproximar alunos de pacientes em cidades do interior

Aos 66 anos de idade, o pediatra e infectologista Manoel Francisco de Paiva pode dizer que seu trabalho em Pouso Alegre (MG) foi pioneiro da atenção básica na região - mais de uma década antes da criação do Programa de Saúde da Família, do governo federal.
Quando começou o Projeto Saúde - uma atividade de extensão que leva alunos da faculdade de Medicina onde dá aulas para realizar atendimento médico gratuito em escolas de diversos municípios -, em 1981, mal havia postos de saúde nas cidades do entorno de Pouso Alegre, no sul de Minas Gerais.
"Quando eu mudei pra cá, o acesso aos serviços médicos era muito difícil. Muitas das cidades aqui perto não tinham um profissional sequer. O projeto estava suprindo essa falta, fazendo esse trabalho", disse à BBC Brasil.
"No início do projeto, nem se falava de HIV, por exemplo. Eu tive até que fazer palestras com os médicos de determinadas localidades para que eles soubessem o que era."
A iniciativa do médico, um ex-participante do Projeto Rondon (que levou estudantes universitários para prestar serviços a comunidades isoladas no interior do país entre 1967 e 1989), acontece sem interrupções há 34 anos.

Sem política

Criado na Universidade do Vale do Sapucaí (Univas), onde Paiva é professor desde 1978, o Projeto Saúde reúne alunos a partir do 2º ano de Medicina para atendimentos de saúde gratuitos à população.
Os alunos veteranos, que atuam como monitores, fazem contato com escolas da rede pública das cidades da região e organizam os eventos. Durante a semana, a equipe dá palestras para os alunos adolescentes e também para pais, professores e outros representantes da comunidade. No sábado, a escola se transforma em uma espécide de "ambulatório global", segundo o médico. O atendimento acontece mensalmente e há um rodízio entre as escolas que recebem o projeto.
"Os alunos do 2º ano de Medicina acolhem os pacientes, conversam com eles, vão pesá-los, medi-los, fazer exames de pressão. Os alunos mais graduados fazem o atendimento clínico, sob minha supervisão. Aproveitamos o mobiliário da escola para criar mini consultórios dentro das salas de aula."
O "ambulatório na escola" também tem salas especiais para homens e mulheres, e outra em que um aluno faz exames para detectar diabetes nos pacientes.
O objetivo inicial do projeto é científico - as informações coletadas formam uma base de dados sobre a saúde da população local, a partir das crianças de 5 a 14 anos. Por isso a escolha das escolas públicas como local de atendimento. A carência de serviços, no entanto, tornou a meta mais abrangente.
"Começou a chegar gente para ser atendida que não estudava nas escolas: os irmãos dos alunos, os pais. Imagine chegar em um lugar onde não há médicos. Então continuamos coletando os dados da faixa etária que planejamos, mas abrimos o atendimento para todo mundo", diz Paiva.


Projeto Saúde em 2012 | Foto: Divulgação/Escola Luiz Pinto
Mobiliário da escola é aproveitado para criar "mini consultórios" onde alunos atendem crianças e adultos

Para que os alunos consigam realizar os atendimentos, fazem acordos com as prefeituras dos municípios, que cedem o transporte, os medicamentos da rede pública e o material. A escola fornece a alimentação para a equipe. Em alguns casos, segundo Paiva, conflitos políticos fazem com que as escolas forneçam a maior parte das necessidades.
O médico, no entanto, afirma não ter qualquer relação com partidos políticos na organização do projeto. E diz ter rejeitado ativamente as diversas tentativas de políticos de se vincularem a ele.
"Quando organizamos a palestra para os adultos, a primeira coisa que faço é dizer que estou ali espontaneamente, sem vínculo algum com religião e política. Porque se alguém virar e falar que 'quem trouxe o projeto para cá fui eu', a população já sabe que é mentira", diz.
"Isso já aconteceu algumas vezes. Em uma cidade, o prefeito começou um discurso de abertura dizendo que se empenhou em trazer o projeto para lá. Mas assim que eu peguei o microfone, disse que estava ali por vontade própria e que era a primeira vez que tinha contato com aquele prefeito."

Formação

Além do interesse acadêmico de fazer um levantamento de dados de saúde nas cidades, Paiva diz que o projeto pretende contribuir para "melhorar a relação entre o médico e o paciente" e formar profissionais com a experiência de atendimento humanizado - que ele afirma ser uma lacuna no currículo universitário.
"A ideia é dar ao aluno uma formação generalista e estimular que os alunos se doem à comunidade. A formação médica atual é centrada no hospital. Agora que estamos vendo os alunos indo para o posto de saúde, agora é que estão sendo incentivados os médicos de família e comunidade. Os próprios professores querem ficar nos hospitais porque é mais prático para eles."
Maria Luiza Baldassaris, de 30 anos, foi monitora do Projeto Saúde durante o curso de Medicina. Da intenção inicial de se especializar em pediatria, chegou à medicina de família e comunidade - formação considerada desejável na atenção básica, mas que atualmente corresponde a apenas 1% do total de médicos no Brasil.
"A monitoria me influenciou muito. Quando tive mais contato com a clínica e com as ações sociais que aconteciam na faculdade, me interessei pela saúde pública", disse à BBC Brasil.


Projeto Saúde em 2008 | Foto: Maria Luiza Baldassaris
Equipe em 2008: ex-aluna de Paiva será a 1º docente da universidade com a especialização

Acompanhando as mudanças curriculares antecipadas pelo projeto de Paiva, Maria Luiza será a primeira médica de família a ensinar na Univas, como preceptora (orientadora de residentes) do estágio em Saúde Coletiva. Ela diz que em sua turma de monitores do projeto, foi a única a seguir a carreira no SUS. "Todos se empenhavam muito e gostavam muito, mas só eu resolvi fazer medicina de família e comunidade. Eles pensavam muito na pouca valorização do profissional".
"Durante a faculdade tivemos muito pouco contato com a atenção básica. O enriquecimento do currículo vem acontecendo de uns tempos para cá. Hoje sei que os alunos são inseridos na atenção básica desde o segundo ano."
Para o médico, a precarização da carreira pública de Medicina contribui para que os médicos recém-formados nem sempre ofereçam um bom atendimento aos pacientes nos postos de saúde. O contato com a população desde a faculdade, ele espera, pode mudar isso.
"O Brasil tem muito esse problema. Como o salário é pequeno nos postos de saúde, um finge que paga e o outro finge que trabalha. O aluno que é formado com uma visão diferente do atendimento, de que precisa oferecer um bom atendimento a todos, já pode ter outra postura. Mesmo que só tenha que trabalhar no SUS até passar em uma residência", afirma.

Cirurgia

Apesar do foco em problemas básicos, como infecções e doenças parasitárias, a equipe encontrou uma série de casos graves e raros. Entre eles, o de uma garota de 13 anos que foi diagnosticada com uma grave má formação no coração. A suspeita inicial, na verdade, partiu do motorista da van que levava a menina e outras crianças até a escola todos os dias.
"Durante o atendimento, o motorista me disse que estava preocupado com essa menina. Ele achava que ela vinha sempre correndo para o transporte, e ela dizia que não. Mas estava sempre cansada. Fiquei interessado no caso e pedi para ele buscá-la", relembra o médico.


Projeto Saúde em 2008 | Foto: Maria Luiza Baldassaris
Além de doenças comuns, equipe de alunos também encontrou casos graves e raros

Um aluno do 2º ano de Medicina, que fez os exames iniciais na menina, descobriu que sua pressão arterial estava altíssima. Com mais exames clínicos, a equipe detectou o sopro no coração, um ruído que pode indicar a má formação.
"Liguei imediatamente para o hospital da faculdade e avisei que mandaria a criança. Em paralelo, pedi para chamarem a mãe dela. Quando fizeram os exames, perceberam que a menina tinha uma anomalia muito importante no coração. Pessoas com essa anomalia geralmente não passam dos 30 anos de idade."
"Eu atendi a garota na hora do almoço na cidade de Santa Rita do Sapucaí e meia-noite ela já estava sendo operada no Incor, em São Paulo. Tudo pela saúde pública. Hoje ela tem 25 anos e está muito bem. E eu cuido da criança dela, olha só que interessante", conta Paiva.
O diagnóstico da garota aconteceu na Escola Estadual Dr. Luiz Pinto de Almeida, na cidade de Santa Rita do Sapucaí. O local recebe o Projeto Saúde a cada dois anos desde o ano 2000.
"O primeiro que fizemos foi um sucesso tão grande que colocamos o projeto no nosso programa escolar. Os pais já sabem que vai acontecer e cobram de nós. Quase 100% dos alunos vêm para as consultas", disse à BBC Brasil a diretora da escola, Rosemary Mendes.
Em uma das edições, a equipe chegou a levar microscópios e bioquímicos para a escola. O objetivo era fazer exames de fezes nos alunos, com resultado imediato. Após casos como o da garota diagnosticada com a ajuda do motorista da van, segundo Rosemary, os funcionários passaram a ficar mais atentos a possíveis problemas apresentados pelos alunos.
"Professores e alunos conversam mais sobre problemas de visão de audição, até ginecológicos. Depois damos um toque para os médicos. Os alunos precisam estar bem fisicamente para ter um bom aprendizado", diz.

fonte:
bbc.co.uk

Por favor, compartilhe!

  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

Nenhum comentário :

Deixe uma resposta

Mensagem do formulário de comentário:

Scroll to top